terça-feira, 17 de março de 2020

BRIZOLA VIVE: O ATOR JORGE COUTINHO TEM PERFIL PARA SER O PREFEITO DO PDT NO RIO

Jorge Coutinho e Milton Gonçalves ajudaram Ulisses Guimarães na fundação do MDB


Por: Walter Brito

Política é coisa de profissionais e o coronavírus, que está assustando a Cidade Maravilhosa e o planeta Terra, certamente é de responsabilidade dos cientistas e médicos, do poder público e de todos nós, e cada um tem que desempenhar o seu papel. Contudo, a vida urge e o planeta se movimenta, embora tenhamos que obedecer às regras do jogo. Se o governador do Rio, Wilson Witzel, resolveu fechar o acesso das principais praias do Rio, vamos obedecer, mesmo que a economia dê uma baixada.
Como estamos em ano eleitoral, a política também tem tido seus reveses, o que é natural. Ainda assim, na política existem profissionais que enfrentam momentos adversos, mesmo que seja o coronavírus, muito temido na cidade mais bela do mundo, que é Rio de Janeiro.

O marqueteiro Braga que elegeu Iris Rezende aos 84 para prefeito de Goiânia, agora quer eleger Jorge Coutinho aos 85 bem vividos

Na próxima semana, estará desembarcando no Rio, o marqueteiro de Goiânia, Jorcelino Braga. Ele vem a convite do jurista e empresário na área de soluções financeiras, o doutor Hebert Borges Sérgio, proprietário da Oryente Soluções financeiras.

O Brigadeiro Átila Maia de mudança para o Rio, cujo compromisso será elaborar o projeto de segurança pública já na pré-campanha de Coutinho. Ao lado do prefeitável Jorge Coutinho, o empresário e advogado Hebert Borges.

E, mesmo atento à questão do vírus que assola o mundo, a razão maior de o Braga enfrentar o momento mais temeroso no Rio, é sua preocupação com o seu filling que diz: "Chegou a hora de fazer justiça na cidade de São Jorge e eleger pela primeira vez na história do Rio de Janeiro um negro retinto e com 86 anos de história. Trata-se da pré-candidatura do ator e presidente do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro.
Vale lembrar que Coutinho protagonizou em 1968, em uma novela da Janete Clair, na Globo, o primeiro beijo inter-racial da TV brasileira. Ele, à época considerado o negro mais bonito do Brasil, e ela, Djenane Machado, excelente atriz de seu tempo, além de branca, bem-nascida e filha de pai famoso, o diretor Carlos Machado, o Rei da Noite e do entretenimento carioca dos anos 50 e 60.
Coutinho foi exilado na Argentina, por enfrentar a ditadura por meio da arte. Ele, saiu pelo país estrelando peças teatrais que pregavam a reforma agrária em plenos anos de chumbo.

Jorge Coutinho e a saudosa Ruth de Sousa ajudaram a construir a história do cinema e da televisão

No cinema e na televisão, Coutinho tem uma história inimitável. Foi diretor-geral da Rádio Roquete Pinto, quando a emissora era uma das principais do país e o rádio, o nosso mais importante meio de comunicação. O vice de Coutinho, na badalada emissora, era simplesmente Mário Lago.

Milton é o secretário-geral do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro e Coutinho é o presidente

Na política, Coutinho junto com o seu companheiro de 62 anos de parceria, o ator Milton Gonçalves, ajudaram Ulysses a fundar o velho MDB de guerra. Nas Diretas Já para presidente, Milton Gonçalves viajou Brasil afora como locutor oficial do projeto do então jovem deputado Dante de Oliveira, que exigiu eleições imediatas para presidente e elas foram restabelecidas.

Na posse de Joaquim Barbosa no Supremo: Regina Casé; logo atrás, o ator Milton Gonçalves e logo atrás do Milton, este repórter, jornalista Walter Brito; pré-candidato a vereador na cidade do Rio. 

O guerreiro Milton Gonçalves, que apelidou este repórter, pré-candidato a vereador, como fuçador, ocasião em que lancei no Teatro Nacional em Brasília, com a presença de mil pessoas, o livro Memórias de Uma Família Negra Brasileira. O termo fuçador saiu na hora do vibrante discurso de Gonçalves, o que emocionou os meus sete irmãos e meus pais, Vespa e Deija, presentes no ato.
Fuçador, no dicionário do futebol, é aquele que ataca com insistência, aproveitando qualquer brecha do adversário.
A saudosa Wangari Mattai, Prêmio Nobel da Paz, no lançamento do livro: Memórias de uma família negra brasileira em Salvador. O autor da obra é o jornalista Walter Brito, na foto com Wangari. A capa do livro é de Siron Franco, o prefácio do poeta Antonio Victor e  a apresentação, do ex-presidente do Brasil, José Sarney. Walter Brito é pré-candidato a vereador na cidade do Rio de Janeiro.

Embora alquebrado e ainda se restabelecendo do AVC que sofreu, Milton tem consciência de que de 2006 para cá, ano do lançamento de meu livro, conseguimos encontrar uma brecha do adversário, com a ajuda do maior marqueteiro em atividade no país, Jorcelino Braga, que elegeu Iris Rezende com 84 anos prefeito de Goiânia; elegeu Kajuru senador e derrotou o popular governador Maguito Vilela, por meio da candidatura do médico do interior goiano, Alcides Rodrigues, hoje deputado federal pelo Patriota. Questionado pela reportagem, sobre o projeto para eleger Coutinho, Braga disse: "Se o meu amigo Carlos Lupi, presidente do PDT, topar, Coutinho estará no segundo turno. Vale lembrar que Brizola Vive.

Brizola elegeu Abdias do Nascimento para a Câmara Federal e para o Senado

O gaúcho que obteve 1/3 dos votos do povo do Estado da Guanabara em 1962 para deputado federal e se elegeu duas vezes no Rio para governador, não brincava e dizia que política é coisa séria e de profissional. Por isso ele fez o seu próprio resgate da comunidade negra brasileira, ao eleger pelo PDT Alceu Collares para governador do Rio Grande do Sul, Albuíno Azeredo para governador do Espírito Santo, Caó para deputado federal, Abdias do Nascimento para senador, Agnaldo Timóteo para deputado federal e José Miguel para deputado estadual. Certamente, o gaúcho que não usava telepronter e falava de improviso, não estava brincando.

Caó e o Coronel Cerqueira foram secretários do Brizola. Alceu Colares e Albuíno Azeredo, foram eleitos por Brizola, no Rio Grande do Sul e Espírito Santo.

E mais, ele nomeou para o seu secretariado, no Rio, os afrodescendentes: Coronel Cerqueira, Edialeda Nascimento, Carlos Alberto de Oliveira - Caó, Abdias do Nascimento, e depois José Miguel para presidente de uma importante fundação no Rio.
Como a marca do Braga é falar em cases de sucesso, para ele Coutinho é um grande case, e assim se expressa: “Por isso, Jorge Coutinho é o melhor case da política nacional e quero elegê-lo prefeito da Cidade Maravilhosa", concluiu Jorcelino Braga, que chega ao Rio na próxima semana para travar uma batalha política que promete ser vitoriosa, ainda que em meio a uma guerra aberta contra o vilão de todos, o coronavírus!

Lupi tem compromisso com a carta programática do PDT elaborada por Brizola. Entre os temas mais relevantes: Educação e o apoio efetivo ao povo negro



Nenhum comentário:

Postar um comentário