quinta-feira, 17 de maio de 2018

ENTREVISTA EXCLUSIVA Descendente do ex-presidente e marechal Castelo Branco se une com descendente da monarquia para apoiar Bolsonaro

O príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança e o Capitão Oscar Castelo Branco de Luca



Por Walter Brito

          Os desmandos ocorridos no Brasil nos últimos anos e mostrados de forma clara pela Operação Lava-jato certamente produziram a liderança de Jair Bolsonaro (PSL), o primeiro nas pesquisas para presidente da República. Com o efeito Bolsonaro, a caserna se coloca de prontidão e apresenta militares de variadas patentes para a disputa de cargos no Legislativo e no Executivo, de forma nunca vista em nosso país.  
O projeto do deputado Jair Bolsonaro e sua tropa é fazer com que os militares assumam novamente o poder por meio do processo democrático. De acordo com alguns cientistas políticos de plantão, o ex-presidente da Suprema Corte Joaquim Barbosa seria o único nome capaz de deter o avanço de Bolsonaro rumo ao Palácio do Planalto. Após anunciar sua desistência, Barbosa afirmou que vê três riscos no Brasil: Bolsonaro, Temer e o golpe militar. Bolsonaro estava preocupado com os 10 pontos na pesquisa do ex-ministro, assim que se filiou ao PSB; com a declaração de Barbosa, de não se candidatar, Bolsonaro disse que os votos do homem de Paracatu migrarão para ele! Vale lembrar, ainda, que muitos conhecedores da política nacional acreditam na volta de Joaquim Barbosa ao cenário político, ainda nesta eleição, quando poderá repetir o feito de Getúlio Vargas. Deposto em 1945 após forte pressão até mesmo de seus aliados de governo, Vargas voltou ao cenário político brasileiro cinco anos depois, nas eleições para o Executivo nacional. Foi uma volta nos braços do povo, quando governou o Brasil em dois mandatos por 19 anos. Barbosa poderá fazer o mesmo, antes das convenções e, disputar o Planalto no dia 7 de outubro!

Oscar Castelo Branco ao lado de Jair Bolsonaro


Conjecturas à parte, o projeto de Bolsonaro segue a todo vapor. A reportagem do Diário da Manhã entrevistou com exclusividade o capitão reformado do Exército Oscar Castelo Branco, sobrinho-neto do Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, primeiro presidente do governo militar. O marechal administrou o país entre 15 de abril de 1964 e 15 de março de 1967.
O capitão Castelo Branco, considerado na caserna um dos homens mais preparados intelectualmente, entre os militares reformados, falou com desenvoltura sobre o convite feito por Bolsonaro para que ele se candidatasse a deputado estadual por São Paulo pelo PSL. O descendente do ex-presidente Castelo Branco é formado pela Academia Militar das Agulhas Negras, além de ter sido um dos destaques da aviação do Exército, onde ficou por mais de 10 anos como piloto de combate e foi um dos pioneiros da implantação da aviação militar no Exército Brasileiro. O militar reformado falou da dobradinha que fará na eleição de outubro com o príncipLuiz Philippe de Orleans e Bragança, que disputará mandato para deputado federal em São Paulo pelo PSL. Outra dobradinha do capitão Castelo Branco se dará com o general da reserva do Exército Sebastião Roberto Peternelli Júnior.

Comandante do Exército, General de Exército Villas Bôas e o Capitão Castelo Branco


Entrevistado pela reportagem sobre sua origem militar, o capitão comentou com orgulho: “Tenho honra de minha origem militar e pertenço à família Castelo Branco. Tenho quatro irmãos e meu avô era irmão do marechal Castelo Branco. Vale lembrar que meu avô veio muito cedo para São Paulo e construiu carreira profissional como fiscal de impostos de renda, enquanto que o seu irmão seguiu a carreira militar e tornou-se presidente da República em 1964”, disse.
Referente a Bolsonaro, Oscar Castelo Branco de Luca afirmou: “O Bolsonaro foi meu contemporâneo. Inclusive, quando eu estava entrando no Exército ele já estava de saída. Depois disso nos reencontramos na Escola de Educação Física do Exército na Comissão de Desporto, quando fui atleta de natação e depois atuei na brigada de paraquedistas, oportunidade em que novamente encontrei Bolsonaro. Portanto, acompanhei de perto a carreira do nosso presidenciável no Exército. Estou orgulhoso de ter sido convidado por ele para me candidatar a deputado estadual por São Paulo”, arrematou.

Capitão Castelo Branco na disputa de mandato para deputado estadual em São Paulo


Quanto à possibilidade da volta dos militares ao poder, por meio do processo democrático, o capitão se entusiasmou e de forma eloquente e até emocionada explicou: “Eu vejo com bons olhos a possibilidade de os militares ocuparem postos de comando em nosso país no Legislativo e no Executivo, especialmente o Palácio do Planalto, pleito em que Jair Messias Bolsonaro lidera as pesquisas nos quatro cantos da nação brasileira. Neste momento crucial da história do Brasil, esse chamado público pelas forças armadas é um sinal do reconhecimento de nossa competência, organização, método, disciplina, transparência, prestação de contas e pela probidade administrativa. Vale ressaltar que as gestões militares são sempre pautadas pela legalidade, legitimidade e competência. O povo sabe disso e hoje apoia militares para cargos públicos democraticamente e por meio do voto. Isso ocorre nos 27 estados da Federação. Acredito firmemente na vitória de Bolsonaro e na mudança para melhor de nosso país sob o comando de meu companheiro de farda e amigo Jair Bolsonaro”, concluiu.
Quanto à dobradinha com o príncipe Luiz Phellipe, o capitão-aviador do Exército afirmou: “Trata-se de uma liderança tradicional e um profissional extremamente competente que agrega valores ao nosso partido, o PSL. Trabalharei nesta campanha ao lado do príncipe Luiz Phellipe em determinados segmentos de nossa sociedade. Na área militar e outros segmentos, pedirei votos ao lado do general Pertenelli, que é uma pessoa de muito valor e está preparado para ajudar Bolsonaro no Congresso Nacional”, disse.
Ao final o capitão Castelo Branco avaliou de forma mais efetiva a campanha em que Bolsonaro cresce e tem possibilidades de ir para o 2° turno e vencer o pleito. Ele explicou: “Eu analiso o crescimento constante de Bolsonaro como fruto de sua transparência, competência e sua história política. O acompanho desde a juventude e afirmo com todas as letras que sua vida foi pautada pela coerência e os valores por meio dos quais construiu sua vida. Desejo sucesso a ele e acredito firmemente na sua vitória, pois o Brasil precisa agora de uma liderança com seu perfil”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário